Nascida em Conselheiro Lafaiete, Minas Gerais, casada, a atriz Gorete Milagres abandonou a profissão de bancaria para estudar no Teatro Universitário da UFMG em 1989. Desde então se dedica de corpo e alma à carreira de atriz. Com ampla experiência em espetáculos de palco e rua, dentre seus trabalhos destacam-se: Il Festino, O moço que casou com a mulher braba e o infantil Brincando na Terra de Gigantes.

Em 1994, Gorete Milagres participa do Festival Internacional de Teatro de Belo Horizonte - Palco e Rua - FIT-BH - com o espetáculo Tempestade e Tem de tudo nesta rua, do Grupo Atrás do Pano.

Ainda em 94, estreou em trabalho solo com sua personagem Filomena na mostra paralela do FIT-BH 94. A primeira apresentação da Filó aconteceu no dia 30 de maio, do mesmo ano, no Bar do Lulu em Belo Horizonte. Conquistando sucesso imediato de público e crítica, Filó ganhou Minas e o Brasil e não mais parou.

Com suas criações Zulurdes, Custódia e Filomena, Gorete Milagres participou do FIT-BH Edição 1996, apresentando-se em ônibus, metrôs e nas entradas de espetáculos, repetindo o sucesso de público e com ampla cobertura da mídia. Desde então apresentou-se com seus personagens para empresas e instituições, falando de temas os mais diversos, desde Qualidade Total a prevenção à Aids. Sempre adaptando as mensagens dos contratantes à linguagem de seus personagens.


Entre os trabalhos institucionais destacam-se os realizados para grandes empresas como Brahma, Cedro Cachoeira, Acesita, Bombril, Unimed dentre outras. Com a Unimed-BH, Gorete e sua Filomena apresentou-se em mais de 100 hospitais de Belo Horizonte, levando diversão para doentes terminais, idosos e crianças.

Em dezembro de 1997, Gorete Milagres levou sua mais famosa criação, Filomena, para a televisão. Filó estreou no programa "A Praça é Nossa" do Sistema Brasileiro de Televisão - SBT. Desde então atraiu as atenções da mídia nacional, que apontava a aparição da personagem como líder do IBOPE no horário.

O bordão "Ô coitado", levou Filomena além das montanhas de Minas e ganhou o Brasil, de norte a sul. Com seu monólogo "Filomena", escrito e dirigido pela própria atriz, Gorete viajou todo o país e fez uma temporada no Teatro Imprensa em São Paulo.

Terminando seu contrato com o SBT dia 30 de junho de 98, Gorete transferiu-se para a Rede Globo de Televisão, onde permaneceu apenas por um período de três meses. Em outubro do mesmo ano, a convite de Sílvio Santos e Moacir Franco, Gorete retorna ao SBT, para realizar um programa com a Filomena e também participar da Praça é Nossa.

Estreou dia 04 de março de 1999 o Programa "Ô, Coitado!", uma comédia de situação semanal com Gorete e Moacir Franco. O programa foi líder de audiência em seu horário, chegando a dar picos de 31 pontos de IBOPE.

Em julho de 1999, com a saída de Moacir Franco, Gorete assume o papel de coordenadora artística do programa, atuando diretamente em todos os processos desde a elaboração dos roteiros à fase de produção.


O trabalho de Gorete Milagres
é pautado na humanização
de suas criações.
E na tentativa de aproximá-las cada vez mais do povo, ela nunca
abre mão da improvisação,
sua marca registrada

Em março de 2000, ainda sob sua coordenação, o "Ô, Coitado!" reestreia com novo formato, nova direção e novo elenco. Durante a sua exibição, até dezembro de 2000, foi sucesso de crítica e ibope. No novo formato Gorete dividiu a cena com atores já consagrados e revelou novos talentos, entre eles: Márcia Real, Turíbio Ruiz, Mara Manzam, Otávio Mendes, Maurício Tizumba, Ju Colombo, Lugui Pallhares, Amanda Acosta, Ricardo Napoleão, Benvinda DÁngelo e Luiz de Abreu.

Com o fim do programa, Gorete volta a fazer parte do elenco do programa "A Praça é Nossa". Em 2003, a atriz deixa o sbt.

Em 2002, criou e atuou no espetáculo “Minha Vida de empregada”, juntamente com o ator Wilson de Santos, integrante da Companhia Bahiana de Patifaria, que percorreu o interior do Estado de São Paulo.Em 2004, atuou no longa metragem “Tapete Vermelho”, dirigido por Luiz Alberto Pereira, contracenando com Matheus Nachtergale e Vinícius Miranda, em uma homenagem ao grande humorista Mazzaroppi.
Ainda em 2004, a atriz ministra, em São Paulo, um curso de comedia solo, na Nacaza Estrutura Cultural e cumpre agenda de shows com a sua personagem Filomena em todo o país.
No início de 2005, Gorete Milagres retorna ao SBT, apresentando seus personagens em diversos programas da emissora de Silvio Santos. Em agosto, do mesmo ano, a atriz é contratada pela Rede Record. Ela passa a integrar o elenco de humoristas do programa "Show do Tom". Além de apresentar com a Filomena, ela interpreta outros personagens.

No final de 2005, Gorete Milagres participa da novela Prova de Amor, da Rede Record. Por 10 capítulos, ela interpreta a personagem Margarete, garantindo o humor na atração.

Na segunda quinzena de fevereiro de 2006, Gorete Milagres realizou uma turnê internacional nos Estados Unidos. Interpretando a personagem Filomena, a atriz estreou o seu novo espetáculo, Desempregada, Ô Coitada!, que tem a direção de Wilson de Santos, da Companhia Baiana de Patifaria.. Foram seis apresentações em cidades diferentes, Philadelphia - PA, Newark - NJ , Miami - FL, New York -NY, Marietta, GA e Hyannis –MA.

Já em abril de 2006, o filme Tapete Vermelho estréia nos cinemas de São Paulo, Recife, Rio de Janeiro, Brasília e Belo Horizonte. No longa-metragem, Gorete Milagres divide cena com os Mateus Nachtergaele e Vinicius Miranda. Ela interpreta Zumira, uma caipira casada com Quimzim (Mateus Nachtergaele) e mãe do garoto Neco (Vinicius Miranda). Na história, ela acompanha o marido na missão de cumprir uma promessa: levar o filho ao cinema para assistir o filme do Mazzaropi.

Ainda neste mês, ela participa do festival de cinema de Recife, o Cine PE e ganha o prêmio de melhor atriz, pela sua atuação no Tapete Vermelho.

No mês de junho, Gorete Milagres participa do 10a edição do Festival de Cinema Brasileiro em Miami. A atriz ficou feliz com os resultados obtidos com a exibição do Filme Tapete Vermelho, que emocionou o publico.

Para outras informações, contatos com: Gorete Milagres Produções Artísticas.